Marco Ramalho: o luthier de chapéu-panamá

Marco Ramalho inicia seus primeiros contatos com a música, lá pelos sete anos de idade, primeiramente, ouvindo o seu pai, um inveterado apaixonado pelo canto lírico, que dava seus “gran finales” italianados, sob os temas mais conhecidos.

Sua mãe, que foi concertista de piano na adolescência, na Paraíba, agora, enveredava pelos ritmos das orquestras, de Severino Araújo, seu conterrâneo, o Maestro Cipó, o Maestro Carioca, Henry Mancini, Michel Legrand, Frank Pourcell, Paul Mourriat, bossa nova e tantos outros ritmos latinos, que lhe despertavam toda a profusão sonora, que a música lhe impregnava.

Logo, Marco Ramalho, ao se desenvolver na direção da pré-adolescência, também começava a evidenciar uma certa tendência pela afinidade com a música, através do violão, que era o instrumento mais popular em meados de sessenta, quando ganha de seu pai um Di Giorgio – modelo Belson – coisa fina para a época. Começava, aí, sua primeira incursão nas aulas de violão, com o seu vizinho, aquele que viria a ser o famoso LUIZ ALVES, futuro contrabaixista do SOM IMAGINÁRIO e que tocou, e toca, com gente famosa mundo afora!

As aulas têm curta duração, pois logo LUIZ ALVES é chamado para tocar em shows , seguidamente, e elas tiveram que se separar…

Um outro professor, de nome Paulo César, deu-lhe umas aulas e o ensinou a tocar SAMBA DE UMA NOTA SÓ, por cifras; o que o deixou todo bobo, pois curtia, muito, aquele jeito do João Gilberto cantar e tocar…

Nova interrupção e só retoma, então às aulas, no Conservatório Brasileiro de Música, em meados de setenta, quando havia acabado o curso de Eletrônica na ETFCSF ( atual CEFET )…

Aí, vem a faculdade de Análise de Sistemas, que o interrompe, novamente este ciclo e, então, só retorna a estudar em 1987, com o famoso LÉO SOARES, dedicando-se, a princípio, a obra de Villa-Lobos, dando sequência aos estudos de teoria no PROARTE, em Laranjeiras.
Um ano após, nova parada e, então, só volta a estudar, agora, com o professor Renato Alvim, em 2008, durante um ano e, volta a se ver obrigado aparar, novamente os estudos.

Durante o início de 2000 funda o ATELIER & CAFÉ DES ARTISTES, no Méier, onde desenvolve alguns projetos na área de SOM INSTRUMENTAL, por três anos, mas vê-se obrigado a fechar as portas.
Em 2006 participa do segundo Fórum Cultural Mundial, realizado no Rio de Janeiro e estabelece alguns contatos interessantes no terceiro setor – Economia Criativa- com empresas de consultoria em projetos culturais, vindo em seguida, a fazer um curso de Empreendedorismo Cultural, na Incubadora Cultural GÊNESIS, na PUC – RJ, por três meses.

Trabalhando como consultor de Engenharia de Produtos e Marketing, retoma, paralelamente, o antigo sonho de manter um elo, agora, mais forte com a cultura musical instrumental. Resolve, então, pela paixão, também, por percussão, a pesquisar, desenvolver design e fabricar, artesanalmente, instrumentos de origem afro-peruana, como o CAJÓN, explorando suas sonoridades e múltiplas formas , buscando oportunidades para inseri-lo em projetos instrumentais.

Para isto convida um grupo de jovens talentos em áreas cujas “expertises” lhe são importantes, com vistas a montar este PORTAL e a desenvolver projetos instrumentais, onde possa agregar valor ao cenário musical brasileiro, tão vilipendiado nestes últimos anos.
Neste espaço democrático, busca as parcerias com profunda dedicação, para, até, dar contribuição de cunho social com a infiltração deste mui interessante instrumento percussivo nas classes de pouco acesso a este universo cultural .

EDUCAR, PARA CRIAR CULTURA – este é seu eterno lema!!!

 

Como este projeto começou

Criamos cajonsartesanaisramalho.blogspot.com, com a abertura abaixo:

FABRICAÇÃO DE CAJÓNS ( CAJONES em espanhol, em sua forma plural )- QUE SIGNIFICA CAIXÃO, GAVETA… EM ESPANHOL. SÃO DE FABRICAÇÃO ARTESANAL (AFROPERUANOS E FLAMENCOS). Modelos com construção baseada em técnicas de marcenaria artística e aplicação de conhecimento de Física Acústica, com materiais de qualidade, feitos por quem conhece de sonoridade e com fino acabamento.

Com grande experiência na área de arquitetura e construção de oratórios budistas, durante muitos anos, com relevante projeção nacional RAMALHO, que sempre esteve ligado aos movimentos culturais, e, em particular, a música, encantou-se pelas características deste instrumento de percussão de origem afroperuana e decidiu construi-los e, assim, dar a sua contribuição para a popularização deste instrumento singelo e de muita praticidade percussiva.

Usando a técnica do CAJÓN e a ENGENHARIA ACÚSTICA podemos CRIAR SONS SURPREENDENTES e, por isto, criamos uma novidade que surpreenderá a muitos. Comprovem!!!

Eu os idealizei, construi muito mais e testei. Ficou ótimo!!! O processo já está em curso há algum tempo…

NOSSO PORTAL www.mrcultural.com.br já está no ar e lá voces encontram muitas novidades que dão o tom de nosso PROJETO CULTURAL, com base na música instrumental e ênfase nas percussões através deste incrível instrumento, que é o CAJÓN!!!

Muitos outros projetos estão em pesquisa e formatação para uma execução segura e com diversas facetas para contemplar o maior número de necessidades da sociedade, como inclusão social, facilitador de aprendizagem de matemática, etc…

Venha se juntar a nós!!!

Inserimos neste dominio uma série de informações sobre o Cajón, sua dinâmica sonora e as suas várias possibilidades de uso dentro e fora dos palcos, surgindo assim uma sequência de projetos encadeados com vista a uma divulgação sócio educacional.
Este projeto basea-se na evolução ECONOMIA CRIATIVA – TERCEIRO SETOR, com o qual estamos devidamente comprometidos em função de nossa participação no II FORUM CULTURAL MUNDIAL ocorrido no rio de janeiro no ano de 2006.